sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Plantas Medicinais - Beneficios

Tribulus Terrestris (videira da punctura ou abrolhos, «abre-os-olhos»), da família Zygophyllaceae, é considerada uma erva daninha que, na Europa, foi utilizada como estimulante sexual — para aumentar o impulso e o desempenho — e para tratamento da impotência durante vários séculos.
Tribulus_terrestris
O Instituto Químico-Farmacêutico em Sofia, na Bulgária, conduziu estudos clínicos com a Tribulus terrestris, e concluíram um aumento nas funções reprodutoras, incluindo na produção de esperma e testosterona em homens. Nas mulheres houve um aumento da concentração de hormônios, incluindo o estradiol, com alteração ligeira da testosterona e melhoria da função reprodutora, libido e ovulação.
Na Grécia Antiga, era comum o uso dos frutos secos da Tribulus terrestris como um laxante suave e um tônico geral. Na China, era muito utilizada para tratar problemas do fígado e como remédio cardiovascular, além de eliminar dores de cabeça e exaustão nervosa. O uso como afrodisíaco era muito comum na Índia.
Mas, na verdade, o uso mais disseminado da Tribulus terrestris é no tratamento de problemas sexuais. O uso popular relata sucesso no tratamento de infertilidade nas mulheres, impotência ou disfunção erétil nos homens e aumento da libido em ambos os sexos. Os resultados dispararam a realização de vários estudos científicos por todo o mundo, inclusive no Brasil, com resultados bem promissores.
Os pesquisadores já descobriram que a Tribulus terrestris pode elevar significativamente os níveis dos hormônios LH e da testosterona, cujos efeitos foram confirmados com o aumento na freqüência e força na ereção, além de aumento do vigor na atividade sexual. Outros efeitos positivos foram relacionados, como a diminuição nas taxas de colesterol, melhora no humor e na auto-estima.
As partes da planta utilizadas como medicamento são as folhas e as raízes.
No Brasil, um dos estudos com a Tribulus terrestris foi realizado pelo ginecologista Décio Luiz Alves, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O pesquisador resolveu testar a planta após avaliar um estudo sobre a eficácia da planta que envolveu 45 homens – saudáveis e diabéticos, realizado na Indonésia, em 1998. O uso da medicação proporcionou uma melhora significativa (de até 65%) no desempenho sexual dos participantes.
Constituintes químicos do Tribulus terrestris: açúcares reduzidos, alcalóides (harman e harmina), ácidos graxos insaturados, esteróis, flavonóides (tribulosídeo), glucosídeos, nitratos, óleo essencial, potássio, kaempferol, resinas, saponinas, taninos
Contra-indicações/cuidados com o Tribulus terrestris: pessoas com hipertensão ou cardiopatia, só devem usar a Tribulus com acompanhamento médico. Se possível evitar o uso interno. O uso excessivo pode provocar problemas estomacais. Em hipertensos e cardiopatas pode ocorrer hipotensão e se a eliminação de potássio for considerável, poderá haver potencialização dos efeitos dos cardiotônicos.*(jotanatura)

Ervas - Nome cientifico - Propriedades

Erva-de-bicho by Ervas Medicinais on March 21st, 2008
Erva-de-bicho é muito comum, possui os mais variados nomes como: pimenta d’água, pimenta do brejo, persicária, capiçoba, cataia, curage, acataia, capitiçoba, capitpotincopotincoba.
Como usar o princípio ativo das plantas by Ervas Medicinais on March 30th, 2009
O tratamento feito com as plantas medicinais pode ser realizado de diversas formas.
Ervas frescas ajudam a diminuir o consumo de sal nas refeições by Ervas Medicinais on March 10th, 2010
Não é só quem tem hipertensão que deve se preocupar com o excesso de sal na alimentação.
Ervas que Curam: Mel, a fonte de energia que é um santo remedio by Ervas Medicinais on March 10th, 2008
A vida é doce e com ela a variedade de açucares é muito grande.
Cha Ervas: Suco Verde desintoxicante by Ervas Medicinais on April 25th, 2008
Nutritivos, os sucos são sempre bem-vindos em qualquer estação do ano ou lugar.
Category: Ervas, plantas | Comments off

Tudo sobre a Goiaba

Sunday, May 16th, 2010 | Author: Ervas Medicinais
Goiaba é o fruto da goiabeira, árvore da espécie Psidium guajava, da família Myrtaceae. O fruto é constituído de uma baga, carnoso, casca verde, amarelada ou roxa, com superfície irregular, cerca de 8 centímetros de diâmetro. Em seu interior há uma polpa rosada, branca ou dourada, contendo dezenas de pequenas sementes duras, mas que podem ser ingeridas sem problemas. Somente as variedades de polpas brancas e vermelhas são comercializadas.
As 4 sépalas da flor estão normalmente presentes em uma das extremidades da goiaba.
Existem duas variedades: a branca, de casca esverdeada e interior amarelo-esverdeado pálido e a vermelha, de casca amarelada e interior rosado.
Algumas moscas utilizam a goiaba para depósito de seus ovos. As larvas dessas moscas são popularmente chamadas de bicho-da-goiaba.
As goiabas são consumidas principalmente in natura ou em forma de doce, chamado goiabada. Compotas, geléias e sucos também são comuns. São muito ricas em vitamina C, com de 180 a 300 miligramas de vitamina por 100 gramas de fruta (mais do que a laranja ou o limão).
No Brasil, o maior produtor mundial de goiabas vermelhas, são produzidas frutas para a indústria (variedades “paluma” e “rica”, entre outras) e para consumo in natura (variedades “sassaoka” e “pedro sato”, entre outras), com a maior parte da produção concentrada no estado de São Paulo e no entorno do rio São Francisco (Nordeste), na região das cidades Petrolina/PE e Juazeiro/BA.
A goiaba não é ácida e, assim, pode substituir o tomate na confecção de molhos salgados e agridoces, mas sobretudo para pessoas com restrições à acidez deste último.
Essa fonte de saúde é utilizada em diferentes produtos derivados, tais como goiabadas, doces, compotas, sucos, sorvetes e molhos salgados e agridoces. Conhecida por ter muita vitamina C, apresentando a goiaba vermelha níveis dessa vitamina de 4 a 5 vezes superiores aos da laranja, possui quantidades razoáveis de vitaminas A e do complexo B, além de sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro.
goiaba
De um modo geral, não tem muito açúcar e quase nenhuma gordura, sendo indicada para qualquer tipo de dieta e, de preferência, deve ser comida crua. É contra-indicada apenas para pessoas que tenham o aparelho digestivo delicado ou com problemas intestinais.

Fitoterapia

Uso medicinal
Em etnofarmacologia é usada para diarreias na infância. O chá, em bochechos e gargarejos, é usado para inflamações da boca e da garganta ou em lavagens de úlceras e na leucorréia.
AS folhas têm óleo volátil rico sesquiterpenos, entre eles o bisaboleno, além do dietoximetano e dietoxetano que dão o aroma dos frutos. O principal componente do óleo das sementes é o ácido linolêico.
O extrato aquoso do “olho” (broto) da goiabeira tem intensa atividade contra Salmonela, Serratia e Staphylococcus, grandes responsáveis pela diarréias de origem microbiana. A atividade é mais forte na variedade de polpa vermelha, e mais fraca nas folhas adultas e casca.

Benefícios da Goiaba

Combate a diarréia e o câncer, por causa do tanino e do
licopeno, presentes em sua composição. Vitaminas A, B2, C e Minerais: cálcio,
ferro e fósforo. Calorias: 42.

Ervas - Nome cientifico - Propriedades

Aprenda a fazer licor de pequi by Ervas Medicinais on March 25th, 2009
Filho de japonês, Henrique Musashi Ribeiro se encantou com as frutas brasileiras.
Category: Goiaba | Comments off

Milk-shake de maçã verde

Sunday, May 16th, 2010 | Author: Ervas Medicinais
1 litro de leite desnatado
3 bolas de sorvete de creme
2 maçãs verdes picadas com casca
4 folhas de hortelã Adoçar a gosto Modo de preparo: bater no liquidificador por 3 minutos até formar um
creme. Coloque uma rodela de maçã na borda do copo para decorar.
Category: Maçã, Sucos | Comments off

Suco de maça

Sunday, May 16th, 2010 | Author: Ervas Medicinais
1 maçã madura, sem casca e sem sementes
3 copos de água-de-coco
6 folhas de hortelã
Modo de preparo: adoçar e bater no liquidificador, servir com pedrinhas
de gelo.

Ervas - Nome cientifico - Propriedades

Chá de hortelã combate vermes by Ervas Medicinais on March 25th, 2009
De acordo com uma pesquisa da UnB, o chá de hortelã é um ótimo remédio para combater vermes.
Category: Sucos | Comments off

Estudo: chá verde não ajuda a diminuir a pressão sanguínea

Friday, May 07th, 2010 | Author: Ervas Medicinais
O chá verde, em particular, foi relacionado à redução do estresse e da ansiedade, contendo componentes que relaxariam os vasos sanguíneos. Mas quando os cientistas analisaram se ele diminui a pressão, ainda que apenas um pouco, as provas foram muito fracas. Alguns pequenos estudos descobriram que algumas xícaras por dia podem reduzir em certo grau os níveis de pressão sanguínea, mas outros descobriram que o chá não ajuda em nada, podendo até atrapalhar. Ainda assim, a novidade não é totalmente ruim para quem bebe chá. Em um recente estudo randomizado, financiado parcialmente pelo Departamento de Agricultura americano, cientistas da Universidade Tufts recrutaram 65 homens e mulheres com pressão moderadamente alta que não tomavam medicação. Alguns foram aleatoriamente designados a beber uma xícara de chá de hibisco três vezes ao dia, enquanto outros receberam um chá aromatizado como placebo.
Após seis semanas, o grupo do chá teve uma queda considerável na pressão sistólica – o número mais alto na leitura – em comparação ao grupo do placebo, sugerindo que o chá teve um pequeno impacto. É claro, a repetição é a pedra fundamental da boa ciência, e um só estudo não é o bastante para tirar conclusões. Especialistas afirmam que mais estudos são necessários.
Segundo os cientistas, o chá verde não parece ter muito efeito na pressão sanguínea. O chá de hibisco pode ter potencial.
Category: Cha, Chá Verde | Comments off

Misturar ervas e até chá verde com remédios pode ser perigoso

Wednesday, May 05th, 2010 | Author: Ervas Medicinais
Cuidado ao misturar ervas e até chá verde com medicamentos. O alerta é dos cientistas que pesquisaram sobre o assunto. De acordo com eles, erva de São João e até mesmo alho e gengibre, não se misturam bem a medicamentos comuns para o coração. A combinação pode ser perigosa para pacientes que fazem uso de remédios para a pressão arterial. Segundo os pesquisadores, a Erva de São João é considerada um antidepressivo natural e eleva a pressão e os batimentos cardíacos. Já o alho e o gengibre aumentam o risco de hemorragias em pacientes que tomam anticoagulantes.
O estudo inclui uma lista com mais de 20 produtos de ervas que os pacientes deveriam usar com cautela. Entre os produtos listados estão o ginkgo biloba, o ginseng e a equinácea, assim como algumas surpresas como o leite de soja e o chá verde e até mesmo a babosa e o alcaçuz.
As pessoas que fazem uso de suplementos de alho acreditando que isso melhorará a saúde de seu coração, vão se surpreender ao saber que podem estar tomando algo capaz de aumentar os riscos de hemorragia.
Category: Cha | Comments off

Chás terapêuticos protegem a saúde

Wednesday, May 05th, 2010 | Author: Ervas Medicinais
Prisão de ventre, insônia, osteoporose, gripe, asma, estresse, obesidade, colesterol alto… Esses são só alguns dos inúmeros problemas que podem ser amenizados com a ajuda de ervas medicinais. Conhecido como fitoterapia, esse tipo de tratamento ganha um número cada vez maior de adeptos, já tem grande parte de seus benefícios comprovados cientificamente e pode ser associado às terapias tradicionais. Outro atrativo da fitoterapia é que as plantas podem ser utilizadas de diversas maneiras, inclusive em forma de chá, tornando o momento de cuidar da saúde bastante prazeroso – principalmente nas épocas mais frias do ano.
Cuidados importantes
De acordo com André Resende, fitoterapeuta e autor do livro “O poder das ervas”, recorrer aos poderes da natureza para cuidar do bem-estar é uma prática que vem dos tempos mais primitivos. Mas, apesar de todo o histórico animador, ele ressalta: “As ervas medicinais fazem muito bem desde que usadas corretamente”.
Quem endossa o alerta é Vanderlí Marchiori, nutricionista da capital paulista e professora do curso de pós-graduação em Nutrição Funcional e Fitoterapia da PUC de Curitiba (PR). “Algumas plantas podem fazer muito mal. O chá verde, por exemplo, tem uma lista enorme de contraindicações, mas muitas pessoas não sabem disso”, comenta. Portanto, nem pense em montar uma farmácia natural sem antes consultar um fitoterapeuta, médico naturalista ou nutricionista especializado no assunto.
Modo de fazer
Vanderlí conta que há dois métodos básicos de preparo dos chás: por infusão ou decocção. No primeiro, deve-se jogar a água fervendo sobre a planta, tampar o recipiente e esperar alguns minutos antes de tomar a bebida. No segundo processo, por outro lado, a planta é fervida junto com a água. “O especialista deve indicar qual é a melhor opção”, avisa.
Confira, a seguir, sete tipos de chás terapêuticos que proporcionam benefícios ao organismo:
* Rooibos
Essa erva, conhecida por dar origem ao chá vermelho, apresenta boas doses de antioxidantes, substâncias que combatem os maléficos radicais livres. Possui um papel importante nos processos de emagrecimento e rejuvenescimento. Ao contrário dos chás verde e preto (da mesma família), afirma Resende, a bebida feita com Rooibos contém quantidades mínimas de cafeína. Sendo assim, não atrapalha o sono e nem provoca quadros de ansiedade.
* Oliveira
Muito usada em rituais religiosos, ela é conhecida como “a árvore da vida”. De acordo com o fitoterapeuta da capital paulista, “suas folhas têm muitas propriedades terapêuticas. Para se ter ideia, são ótimas para tratar a hipertensão, apresentam propriedades antioxidantes e rejuvenescedoras, ajudam a emagrecer e combatem o estresse e a fadiga crônica”. Rica em fibras e minerais, a oliveira não tem contraiindicações.
* Xaxim
Trata-se de uma erva da família da samambaia. Segundo Resende, é muito indicada para auxiliar no tratamento de asma e bronquite. Já o uso tópico é eficaz no combate de psoríase, caspa e micose.
* Cavalinha
O chá feito com essa erva é altamente desintoxicante. “Ela é ótima para reduzir todos os tipos de inflamações. Mas sua ação parece ser mais poderosa na luta contra a celulite”, conta Vanderlí. Quem experimentou confirma os efeitos maravilhosos, como é o caso de Maria Lúcia Gabrielli, técnica têxtil, 52 anos: “Eu tinha muita retenção de líquido e, por isso, minha nutricionista indicou a cavalinha. Ao usá-la, passei a fazer mais xixi e logo percebi que o problema diminuiu bastante. Houve uma redução significativa de celulite e até de gordura localizada”, conta.
* Camomila e amora
A combinação é excelente para ser consumida durante a tensão pré-menstrual (TPM), já que tem efeito fitoestrogênico, como explica a professora do curso da PUC de Curitiba: “elas agem como se fossem hormônios, normalizando os níveis desregulados dessas substâncias. Dessa forma, os sintomas típicos do período são amenizados”.
Para a biológa Clara Maciel Cavalcanti, 31 anos, o pior sintoma da TPM sempre foi o inchaço exagerado. Para se livrar do incômodo, ela foi orientada por sua nutricionista a apostar no extrato das folhas de amora. “Além de o inchaço ter diminuído, fiquei menos irritada”, lembra.
* Hortelã e damiana
Essa é outra dupla muito útil para as mulheres, pois ajuda no controle dos sintomas característicos da menopausa. “A hortelã reduz bastante a sensação de calor. Já a damiana tem importante papel na regulagem dos hormônios”, explica Vanderlí. Segundo a especialista, as duas ervas podem até driblar a necessidade de realizar uma reposição hormonal.
* Hortelã-pimenta, capim cidreira, gengibre e cúrcuma
A terapeuta Cristiane Ayres, do Ayur Elements, do Rio de Janeiro (RJ), diz que a associação de todas essas ervas resulta em um chá de grande poder desintoxicante. A hortelã-pimenta tem propriedades analgésicas, anti-sépticas, antiinflamatórias, calmantes, digestivas e expectorantes; além de diminuir a ansiedade, o capim cidreira é analségico, expectorante, bactericida, digestivo, diurético e sudorífero; o gengibre é anti-séptico, antiinflamatório, conservante, digestivo e expectorante; a cúrcuma, por sua vez, combate a diarreia e exerce funções antimicrobianas e antitóxicas. É capaz de melhorar a digestão e ajudar no desenvolvimento da flora intestinal.
Seguro e eficaz
Para garantir os efeitos benéficos dos chás, confira algumas recomendações:
* Procure por um especialista antes de iniciar o consumo de chás terapêuticos, pois muitas ervas apresentam contraindicações
* Não beba mais de um litro por dia
* Depois de pronto, o chá tem 12 horas de validade
* Nunca adquira ervas de origem desconhecida, como aquelas vendidas em feiras de rua, pois podem estar contaminadas por fungos e bactérias. Procure o produto em lojas especializadas ou farmácias de manipulação
* Fique atenta em relação às quantidades: em altas doses, as ervas podem causar intoxicação
Category: Cha | Comments off

Tudo sobre Sucupira

Monday, March 22nd, 2010 | Author: Ervas Medicinais
Sucupira é o nome popular dado a várias espécies de árvores brasileiras, entre elas:
  • Pterogyne nitens (amendoim-bravo);
  • Acosmium subelegans (amendoim-falso);
  • Bowdichia virgilioides (sucupira-preto);
  • Diplotropis purpurea (sucupira-preta, da Amazônia);
  • Leucochloron incuriale (chico-pires);
  • Pterodon emarginatus (sucupira);
  • Pterodon polygalaeflorus — que alguns autores consideram a mesma espécie da Pterodon emarginatus;
  • Sclerobium álbum e Sclerolobium aureum (carvoeiro);
  • Sweetia fruticosa (angelim).
Outros nomes populares: faveiro, fava-de-sucupira, fava-de-santo-inácio, sucupira-branca, sucupira-lisa.

Características

É árvore de porte médio, de 8 a 16 metros, de copa piramidal rala. O tronco tem casca lisa branco-amarelada. As raízes formam às vezes expansões de reserva, as batatas-de-sucupira.
As folhas compostas bipinadas. Flores rosadas, em inflorescências terminais tipo panículo. A espécie Pterodon polygalaeflorus Benth., considerada por alguns autores como a mesma da P. emarginatus, ocorre mais ao norte do Brasil e tem flores azul-violeta.
Fruto tipo legume indeiscente, alado, com uma única semente protegida por cápsula fibrosa e envolta em substância oleosa numa estrutura esponjosa.
A árvore é decídua, não-pioneira, heliófita e xerófita, nativa de terrenos secos e arenosos. Apresenta dispersão descontínua, muitas vezes com populações puras.
Floresce em setembro-outubro e os frutos amdurecem em junho-julho, mas ficam mais tempo na árvore.
Retirar a semente do fruto é difícil, estes podem ser plantados inteiros. De qualquer forma, a taxa de germinação é baixa.

Usos Sucupira

Fornece madeira muito dura, usada em construção civil.
Na medicina popular, seu óleo aromático volátil, produzido pela casca e pelas sementes, é utilizado contra o reumatismo. Já os nódulos da raiz, chamados de batatas-de-sucupira, são usados contra o diabetes.
Estudos farmacológicos demonstraram que o óleo dos frutos inibe a penetração pela pele da cercária da esquistossomose, podendo ser usada na profilaxia dessa endemia.
Observação importante:
Por ser morfologicamente parecida, a P. emarginatus e a Bowdichia virgilioides Kunth são com freqüência confundidas, mas os frutos são diferentes.
A Farmacopéia Brasileira de 1929 refere o uso da casca de sucupira em forma de extrato fluido e tintura, citando a espécie como Bowdichia virgilioides Humboldt, Bonplant, Kunth. Descreve a casca como apresentando-se em grandes pedaços planos ou levemente curvos, de comprimento e largura variáveis e 8–10 mm de espessura. A superfície externa é pardo-escura com numerosas verrugas cor de ferrugem, rachos longitudinais profundos e algumas fendas transversais muito espaçadas. A parte suberosa se desprende facilmente, expondo o parênquima cortical pardo-avermelhado. A face interna é amarelada, com estrias longitudinais bem visíveis. O sabor é amargo e adstringente.

Ervas - Nome cientifico - Propriedades

Chá de hortelã combate vermes by Ervas Medicinais on March 25th, 2009
De acordo com uma pesquisa da UnB, o chá de hortelã é um ótimo remédio para combater vermes.
Category: Sucupira | Comments off

Chá Quebra Pedra

Monday, March 22nd, 2010 | Author: Ervas Medicinais
O chá de quebra-pedra é usado pela medicina popular no tratamento de cálculo renal, mas não funciona exatamente quebrando as pedras nos rins. Na verdade o Phyllantus niruri evita que os cálculos se formem e relaxa o sistema urinário, o que ajuda a expeli-los. A constatação foi realizada pela química Ana Maria Freitas, do departamento de Nefrologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). A quebra-pedra (Phyllantus niruni) inibe a formação de cálculos renais e facilita sua expulsão (foto: Pedro Magalhães)
Como explica a pesquisadora, a urina é uma solução composta por ânions, cátions e moléculas. “É fundamental que exista equilíbrio entre as forças que se dirigem para a cristalização e solubilização dessas substâncias”, esclarece. “Se ocorre saturação é formado um cristal, que servirá como núcleo para crescimento do cálculo.”
Os cálculos renais, que podem se formar nos rins e na bexiga, apresentam uma parte mineral (geralmente oxalato de cálcio) à qual aderem íons e macromoléculas orgânicas — sobretudo proteínas, lipídeos e glicosaminoglicanos. Existem ainda cálculos constituídos por fosfato de cálcio, ácido úrico e cistina.
A formação dos cálculos ocorre pela adesão de pequenas partículas minerais às paredes do túbulo renal, um canal fino que constitui cada néfron — as unidades funcionais de excreção do rim. “Depois que essas partículas aderem aos túbulos, passam a ser absorvidas pelas células renais”, a pesquisadora observa. Quando grandes, os cristais podem provocar a morte das células renais; já os menores passam algum tempo no interior das células e são liberados de volta no túbulo renal, onde são agregados a moléculas orgânicas e passam a constituir os cálculos.
A pesquisa conduzida por Freitas constatou que o chá de quebra-pedra reduz a adesão de cristais de oxalato de cálcio às paredes do túbulo renal. Durante dois anos o P. niruri foi ministrado a 58 ratos na forma de pó, para que os componentes não fossem alterados. Pequenas pedras de oxalato de cálcio foram implantadas na bexiga das cobaias, divididas em dois grupos. Um deles tomou a substância diariamente, enquanto o outro ingeria apenas água. Após 42 dias os animais que não tomavam o medicamento formaram uma média de 12 pedras, com cerca de 0,18 g cada. Os demais apresentaram apenas três cálculos, de aproximadamente 0,02 g.
A análise das pedras indicou que o chá impede a aderência de macromoléculas aos cristais de oxalato de cálcio porque reverte sua polaridade. “Os cristais se prendem à parede celular porque há uma atração elétrica entre ambos”, a química esclarece. “Os cristais têm carga positiva, e a parede celular, negativa. O Phyllantus niruri parece mudar a polaridade da carga dos cristais, e inibir assim sua adesão ao túbulo renal.” O chá também relaxa o sistema urinário, o que facilita a expulsão dos cálculos.
A comprovação da eficácia do chá pode representar uma alternativa aos atuais tratamentos indicados para retirada de cálculos, como cirurgias e ondas de choque. A pesquisadora adverte, no entanto, que ainda não foi determinada a dosagem ideal para ingestão do fitoterápico.
Category: Cha, Cha Quebra Pedra | Comments off

Chá Semente Sucupira

Monday, March 22nd, 2010 | Author: Ervas Medicinais


Nenhum comentário: