terça-feira, 31 de março de 2020

SERVIÇO CONCLUÍDO >> CAERN conclui conserto na Adutora Sertão Central

A imagem pode conter: atividades ao ar livre, texto que diz "caern Caern conclui conserto na adutora Sertão Central"
A Caern concluiu o serviço da Adutora Sertão Central, que foi deslocada neste final de semana com a força das chuvas na região, afetando o abastecimento de Angicos, Caiçara do Rio do Vento, Fernando Pedrosa, Jardim de Angicos, Lajes, Pedro Avelino, Riachuelo e, ainda, a comunidade Cachoeira do Sapo. 

A equipe da Caern religou o sistema na tarde desta segunda (30), devendo normalizar o abastecimento até quarta-feira (1º) à tarde. #Caern #abastecimento #SertãoCentral.

Mapa alerta para medidas de prevenção ao coronavírus no campo

Coronavírus

Produtores e transportadores devem redobrar cuidados para evitar contaminação

  Lavar as mãos é uma das medidas para evitar o contágio pelo coronavírus
Lavar as mãos é uma das medidas para evitar o contágio pelo coronavírus
Com a pandemia do Coronavírus, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) alerta para a importância do reforço de medidas de prevenção ao vírus no meio rural.
Os cuidados devem ser adotados, pois animais, pessoas, veículos e equipamentos que entram na propriedade podem ser fonte de contaminação do vírus para os trabalhadores, já que o vírus (Covid-19) fica nas superfícies por um tempo.
“O vírus não atinge animais e vegetais [não transmitem], mas a higienização de alimentos continua sendo fundamental e necessária para mantê-los seguros antes de cozinhá-los”, destaca Luís Eduardo Pacifici Rangel, diretor do Departamento de Análises Econômicas e Políticas Públicas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). “Nesse momento, há necessidade e urgência de se reforçar medidas de higiene em todas as etapas da cadeia de produção dos alimentos, principalmente no transporte e manipulação das mercadorias nos centros de distribuição”.
O Brasil tem o maior rebanho comercial bovino, com cerca de 213,5 milhões, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São mais de 15 milhões de pessoas ocupadas nos estabelecimentos agropecuários espalhados por todo território nacional. A área agrícola cresceu 3,3% entre 2016 e 2018, de acordo com o monitoramento do instituto. São mais de 664 mil km², o equivalente a 7,6% do território nacional.
“Esses números mostram a dinâmica do setor, que envolve inúmeros elos da cadeia produtiva”, observa Orlando Melo de Castro, diretor do Departamento das Cadeias Produtivas do Mapa ao destacar a importância dos produtores rurais e transportadores de alimentos e bebidas, que estão na linha de frente do setor, adotar recomendações dos órgãos de saúde para prevenir o contágio e a transmissão do Covid- 19.
Toda cadeia produtiva de alimentos e bebidas é atividade considerada essencial de acordo com o Decreto 10.282, de 20 de março de 2020.
As regras higiênico-sanitárias da produção agropecuária já são amplamente conhecidas e aplicadas regularmente pelos produtores rurais, refletindo a excelência da produção brasileira. Há uma série de recomendações que devem ser tomadas principalmente na circulação de mercadorias e cuidados pessoais na logística.
Os transportadores, especialmente, devem observar essas orientações.
 >> Veja abaixo as recomendações gerais:
  • Lavar, com frequência, e sempre que necessário mãos, braços e rosto com água e sabão;
  • Aplicar, frequentemente, e sempre que necessário álcool gel nas mãos;
  • Aumentar a frequência de desinfecção das superfícies de contato de veículos seja volante do trator e ou câmbio, painel e maçanetas de carros;
  • Manter a distância segura (recomendação de 2 metros) entre pessoas nos locais de descanso e evitar aglomerações.

>> Recomendações para circulação de operadores de veículos de carga:
  • Entrar no pátio apenas no momento do carregamento;
  • Utilizar álcool gel nas mãos antes e após a entrega/retirada de documentos;
  • Motoristas de contêineres, não desçam das cabines. Os contêineres deverão ser plugados no estacionamento de caminhões e liberados para entrada para carregamento e já direcionados para a área de expedição.

>> Recomendações para entregas de materiais: 
  • Motorista não deve sair do veículo;
  • Antes da entrega de documentação, o motorista deve passar álcool gel nas mãos;

>> Recomendações para os produtores rurais:
    Seguir a orientação padrão do Ministério da Saúde.
  • Lave as mãos em intervalos menores, com água e sabão;
  • Evite aglomerações e contato pessoal muito intenso;

Quanto tempo o novo coronavírus vive em uma superfície ou no ar?


Ainda não é possível afirmar quanto tempo o novo coronavírus sobrevive na superfície ou no ar, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas pesquisadores afirmam que ele parece se comportar igual aos outros tipos de coronavírus.
Estudos avaliados pela OMS apontam que o vírus pode persistir nas superfícies por algumas horas ou, até mesmo, vários dias. Isto pode variar e depende das condições do local, do clima e da umidade do ambiente.
As pessoas podem pegar o Covid-19 de outras pessoas que têm o vírus. A doença pode se espalhar de pessoa para pessoa através de pequenas gotículas do nariz ou da boca que se espalham quando uma pessoa com a doença tosse ou exala.
Essas gotículas pousam em objetos e superfícies ao redor da pessoa. Outras pessoas pegam o Covid-19 tocando esses objetos ou superfícies e depois tocando nos olhos, nariz ou boca.
A recomendação da OMS é de que, caso você desconfie que uma superfície está contaminada, limpe-a com um desinfetante e evite tocar nos olhos, na boca ou no nariz. Após isso, higienize as mãos com álcool ou lave-as com água e sabão.
No ar
As pessoas também podem pegar o novo coronavírus se respirarem gotículas de uma pessoa com Covid-19 que tosse ou exala gotículas. É por isso que é importante ficar a mais de 1 metro (3 pés) de uma pessoa doente.

No dia Mundial da Saúde e Nutrição um alerta para a importância da proteína animal na dieta

 
dia da saúde e nutriçãoHoje, dia Mundial da Saúde e Nutrição um alerta dos especialistas para a importância da proteína animal na dieta. Carnes, leite e ovos estão entre os principais alimentos do tipo e são principais fontes de aminoácidos essenciais ao organismo humano. Conforme o calendário oficial do Ministério da Saúde, se comemora hoje, 31 de março, o Dia Mundial da Saúde e Nutrição, e tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância da saúde e de uma boa alimentação.
Em 2019 a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura revelou que a fome é um problema que atinge 820 milhões de pessoas no mundo e, em consequência, 149 milhões de crianças tem seu crescimento atrofiado devido à desnutrição. Com o propósito de reverter tais perspectivas, a Elanco Saúde Animal recomenda garantir a segurança alimentar das pessoas, incluindo acesso universal a carnes, leite, peixes e ovos, buscando proporcionar este acesso de forma sustentável.
Assegurar que a sociedade tenha alimento suficiente, de qualidade e especialmente proteínas animais apropriadas, é uma aposta no desenvolvimento das pessoas e no futuro da sociedade, sobretudo pelo papel fundamental que têm na construção de uma dieta saudável. Além de serem completas e melhor absorvidas pelo organismo humano, são elas que fornecem um conteúdo maior de aminoácidos essenciais, aqueles não produzidos pelo corpo e que permitem o desenvolvimento de funções vitais, como formação de estruturas ósseas e musculares.
Tão importante quanto ingerir proteínas animais é variar os tipos delas no cardápio¹. Isso porque esses alimentos trazem também vitaminas e minerais que variam entre si. Enquanto o frango, por exemplo, é uma excelente fonte de cobre, zinco, selênio e ferro, a carne suína é rica em vitamina B6, que ajuda o organismo a metabolizar proteína e carboidratos. Diferente dos mitos disseminados em torno da carne, ao ser inserida no cardápio de maneira equilibrada com outros grupos alimentares, ela cumpre papel indispensável na nutrição humana.

Economia: Com impacto do coronavírus, Brasil deve voltar a ter recessão neste ano


A economia brasileira caminha para uma recessão neste ano. Com o impacto do coronavírus, bancos e consultorias voltaram a revisar para baixo as projeções para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) e parte dos analistas dá como certa uma retração da atividade, o que não ocorre desde 2016.
Para a maioria deles, a dúvida já é de qual vai ser o tamanho da queda.
O avanço do coronavírus tem provocado uma paradeira na economia global e nacional. Parte da população está isolada em casa, o varejo baixou as portas para ajudar a conter a propagação do vírus, e fábricas tiveram de interromper ou reduzir a produção.
Na ponta, o resultado dessa combinação perversa são as demissões anunciadas pelas empresas, o que vai piorar o quadro do emprego no país.
A última vez que o mundo sentiu um impacto tão grande foi na crise financeira de 2008. No Brasil, a doença chegou num momento muito ruim. Os últimos números da economia no ano passado já apontavam para uma perda de ritmo.
Tamanho do tombo
Por ora, tem sido difícil apontar qual será o real tamanho da recessão esperada para este ano. A única certeza é de que houve uma deterioração acentuada da economia nos últimos dias. A dificuldade de se dá porque é impossível saber qual será a duração do isolamento social no país.

Economia com fertilizantes na semeadura do inverno

Semeadura de inverno na Região Sul
A estiagem que afetou os cultivos de verão na Região Sul limitou a capacidade das plantas de extrair os nutrientes disponíveis no solo. Avaliar o residual de fertilizantes pode representar economia na implantação das lavouras de inverno.
De acordo com o pesquisador da Embrapa Trigo, Fabiano De Bona, a base de fertilizantes para a produção de grãos é a fórmula NPK- nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K). “Grande parte destes nutrientes ficaram no solo e devem ser contabilizados no investimento para adubação da cultura de inverno”, explica Fabiano. Segundo ele, o ponto de partida para verificar a disponibilidade de nutrientes é análise do solo: “Eu preciso saber o quanto de nutrientes está disponível na área e isso só é possível através da análise de solo. Repor a adubação sem considerar a safra anterior é anti-econômico. Você pode estar aplicando mais fertilizante do que a planta vai conseguir absorver”.
Avaliar o contexto da lavoura e não apenas a reposição de nutrientes é o que recomenda o pesquisador da Embrapa Trigo, Anderson Santi. “Precisamos considerar se a área recebeu milho nos últimos anos ou foi somente soja, qual o volume de palhada, o tipo de solo, relevo, clima. São vários fatores a considerar antes de fazer a adubação. A racionalidade econômica exige o planejamento no uso de insumos e os fertilizantes representam uma parcela importante dos custos de produção”.
Para saber mais ouça a entrevista com os pesquisadores:

segunda-feira, 30 de março de 2020

CORONAVÍRUS >> Saiba como evitar a contaminação dos alimentos em sua casa

Em tempos de quarentena e tentativa de conter a pandemia do coronavírus, é muito importante manter a preocupação e o cuidado com os alimentos que chegam à nossa casa. Isso tudo porque é sabido que mudanças bruscas na rotina e na alimentação podem acabar prejudicando a imunidade dos moradores e deixando as pessoas de casa mais vulneráveis ao Covid-19. O nutrólogo Guilherme Mattos separou algumas dicas para alertar os brasileiros em relação às novas práticas domésticas.
Ir ao supermercado para fazer compras é quase inevitável em algumas regiões onde não há delivery, por isso é importante que todos tomem cuidado com o que chega em casa. Isso inclui legumes, frutas e outros alimentos e embalagens.
Para alimentos industrializados, embalados ou até mesmo em caixas, como o leite, o ideal é usar um pano com álcool em gel 70%. Já produtos em recipientes vedados devem ser bem lavados com água corrente da torneira.
Em relação a frutas, legumes, hortaliças e verduras, a higienização deve ser realizada também com água corrente e logo após a lavagem, deixar os alimentos imersos em uma solução com água sanitária por 15 minutos – lembrando de usar uma colher de sopa a cada 1 litro de água. Após esse tempo, lavar novamente e deixar secar naturalmente. Caso o alimento não seja consumido, é importante guardar na geladeira em recipientes com tampa.
Mattos alerta para a necessidade de higienizar além dos alimentos o local onde eles serão estocados, incluindo pia, bancadas e a despensa. “Pode ser com água e sabão ou o álcool em gel”, recomenda.

Como preparar os alimentos?

Quem ficar responsável pela preparação dos alimentos deve ter muita atenção neste momento. O indicado é sempre lavar as mãos durante todo o processo, porque embora o calor do cozimento iniba o vírus, ele ainda pode permanecer na pele e, pior, contaminar os alimentos crus e gelados.
Postado por Canindé Rocha

Rafael Motta pede agilidade no pagamento do seguro defeso aos pescadores potiguares

Em função da crise social provocada pela pandemia do coronavírus, o deputado federal Rafael Motta (PSB/RN) solicitou, junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP/MAPA), celeridade no pagamento do seguro defeso aos pescadores do Rio Grande do Norte.
No texto, o parlamentar ressalta que esta é uma forma de viabilizar uma fonte de renda alternativa durante o isolamento social provocado pelo surto de Covid-19, garantindo a subsistência das famílias no período de quarentena. Rafael ressalta, ainda, que a pesca é uma das atividades mais importantes para a economia do estado.
Com parcelas em atraso no RN, o pagamento do benefício é feito entre os meses de janeiro e abril, quando a pesca fica proibida em função do período de reprodução de algumas espécies. 



Assessoria de imprensa do deputado Rafael Motta
 
 

Mapa publica portaria com atividades e serviços essenciais para garantir funcionamento do setor agropecuário e abastecimento

Coronavírus

Medida traz lista de atividades, produtos e serviços considerados essenciais com objetivo de garantir abastecimento de alimentos, bebidas e insumos agropecuários durante a pandemia do Coronavírus

 
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou Portaria nº 116 nesta sexta-feira (27), no Diário Oficial da União (DOU), que especifica produtos, serviços e atividades essenciais para garantir o pleno funcionamento das cadeias produtivas de alimentos, bebidas e insumos agropecuários durante a pandemia do Coronavírus.
A normativa, assinada pela ministra Tereza Cristina, está alinhada ao Decreto n.º 10.282, de 20 de março, que considerou “como essenciais as atividades acessórias, de suporte e a disponibilização dos insumos necessários à cadeia produtiva”, entre outros itens, para atendimento à demanda da população.
A portaria teve como base relatos de dificuldades enfrentadas em alguns elos da cadeia e reforça que eventuais medidas restritivas adotadas devem resguardar o funcionamento de atividades essenciais à cadeia produtiva de alimentos. A medida especifica 18 itens como produtos, serviços e atividades essenciais.
Logística
A lista envolve, em sua maioria, a manutenção da logística de transporte como operações de transporte coletivo ou individual de funcionários, que atuem em atividades da cadeia de produção; transporte e entrega de cargas em geral; portos, entrepostos, ferrovias e rodovias, municipais, estaduais e federais para escoamento e distribuição de alimentos, bebidas e insumos agropecuários; além da produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados; produção e distribuição de alimentos, bebidas e insumos agropecuários com especial atenção ao transporte e comercialização de produtos perecíveis.
Também estão definidos como essenciais o funcionamento de postos de gasolina, restaurantes, lojas de conveniência, locais para pouso e higiene, com infraestrutura mínima para caminhoneiros e para o tráfego de caminhões ao longo de estradas e rodovias de todo o país e as atividades de vigilância e inspeção sanitárias e atividades de controle do Estado, de competência da União, estados e municípios, como fiscalização de alimentos de origem animal e vegetal e controle de pragas e doenças.
De acordo com a portaria, todas as atividades devem considerar, rigorosamente, as diretrizes de segurança mínima para conter o avanço do Covid-19 apresentadas pelo Ministério da Saúde, bem como as prescrições previstas no Regulamento Sanitário Internacional Anexo ao Decreto nº 10.212, de 30 de janeiro de 2020, definidos na 58ª Assembleia Mundial de Saúde.

sábado, 28 de março de 2020

Um verão no Final de Março

Eu diria que é um verão necessário, principalmente nas localidades onde já choveu bastante. A Zona Rural de Fernando Pedroza, mais precisamente na sua área mais significativa, que é o Pico do Cabugí, está abrejada, como dizia meu pai. As estradas estão intransitáveis, merecendo um devido reparo.

Comunicado IBGE >> Censo 2020 é adiado para 2021


Resultado de imagem para Comunicado IBGE
Censo 2020 é adiado para 2021. Como é do conhecimento de todos, a pandemia mundial provocada pelo coronavírus levou o Ministério da Saúde a declarar "Emergência em Saúde Pública da Importância Nacional".

Diante dessa grave situação vivenciada pela sociedade brasileira, o IBGE entende que a saúde e integridade de cada cidadão é o maior valor a ser preservado.

Assim, considerando a natureza e a dimensão do Censo Demográfico, o qual é realizado por meio da presença de mais de 180 mil recenseadores, que visitam, por sua vez, mais de 71 milhões de domicílios no território nacional, o IBGE decidiu adiar a operação censitária para o ano de 2021.

Gostaríamos portanto de agradecer as contribuições oferecidas, até o presente momento, por cada um dos membros que participaram das Reuniões de Planejamento e Acompanhamento do Censo (REPACs).

O IBGE aguardará o apropriado momento para retomar os trabalhos, entrando novamente em contato. Esperamos contar com a colaboração de todos vocês, tão logo a situação se normalize.

Desejamos precaução e saúde a todos, aspirando a reestabelecer as nossas atividades produtivas o mais brevemente possível.

Atenciosamente,
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Agência de defesa agropecuária oferece serviços on-line para o produtor não sair de casa

 
adagro PEA Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado de Pernambuco (Adagro) está oferecendo aos produtores rurais a possibilidade de solicitar a GTA (Guia de Trânsito Animal) e a PTV (Permissão de Trânsito Vegetal) online. O pedido é feito pelo sistema (siapec3) e o documento chega por e-mail, sem a necessidade de haver deslocamento até o escritório da agência.
O sistema poderá ser acessado tanto pelo computador como por aplicativo de celular. Nele o produtor realiza um pré-cadastro que será validado por um fiscal da Adagro. O sistema automatizado permite a homologação eletrônica e valida todo o processo. Dessa maneira, o produtor ganha uma forma mais simples e prática para a emissão dos documentos sanitários eliminando a obrigatoriedade de ir até os escritórios da Adagro em todo o estado.
“ Já estávamos trabalhando para oferecer esse serviço online, então antecipamos algumas fases e conseguimos disponibilizar a ferramenta para que possamos agilizar o atendimento sem deslocamentos”, explicou o presidente da Adagro, Paulo Lima. A nova funcionalidade vem para facilitar a vida do produtor rural, permitindo solicitar e imprimir Guias de Trânsito Animal, Permissões de Trânsito de Vegetais, bem como pagar as respectivas taxas, com maior conforto e agilidade.
Nota do Blog: Uma medida acertada, embora tardia. Tomara que se estenda aos demais esta do Brasil.


Incra prorroga vencimento de débitos e suspende prazos de processos



    Portaria prorroga prazos de vencimento de débitos provenientes da concessão de modalidades do Crédito Instalação e títulos de domínio, entre outras medidas.
    Portaria prorroga prazos de vencimento de débitos provenientes da concessão de modalidades do Crédito Instalação e títulos de domínio, entre outras medidas.
    O presidente do Incra, Geraldo Melo Filho, assinou a Portaria nº 586, de 26 de março de 2020, que prorroga por até 60 dias, contados a partir do fim da vigência do Estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN), os prazos de vencimentos de débitos provenientes da concessão de modalidades do Crédito Instalação, títulos de domínio e parcelamentos administrativos.
    A ESPIN foi decretada pelo Ministério da Saúde, por meio da Portaria nº 188, de 3 de Fevereiro de 2020, em decorrência da pandemia do novo coronavírus.
    A portaria do Incra suspende em favor dos interessados os prazos para apresentação de defesa, recurso administrativo e manifestações em razão de notificações emitidas pelo instituto durante a declaração do Estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional. Após o término do ESPIN, os processos administrativos voltarão a correr automaticamente, pelo período remanescente, contados a partir do primeiro dia útil.
    Por causa da decretação do ESPIN, as superintendências regionais da autarquia suspenderam o atendimento presencial ao público por medida de segurança a fim de diminuir a transmissão do novo coronavírus. Como a maior parte do público da reforma agrária e de regularização fundiária encontra-se em áreas distantes dos centros e com dificuldade de acesso à internet para solicitação e/ou emissão de guias para pagamento, Geraldo Melo Filho entendeu que a prorrogação dos prazos é a decisão correta a adotar neste momento.
    No documento, o presidente do Incra destaca que o descumprimento das medidas impostas pelos órgãos públicos com vistas a evitar a disseminação do COVID-19, podem inserir os agentes públicos da autarquia na prática de crimes previstos nos artigos 268 e 330 do Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940.
    Decisões
    De acordo com a Portaria nº 586, os prazos de vencimentos de débitos relativos ao Crédito Instalação, títulos de domínio de lotes em assentamentos ou áreas de regularização fundiária a partir de 04 de fevereiro de 2020 serão prorrogados pelo período de 60 dias a contar do fim da vigência do estado de emergência.
    Também serão prorrogados pelo mesmo prazo, os valores a receber decorrentes de parcelamentos administrativos de contratos, de débitos de convênios e multas, cujos vencimentos ocorram durante a vigência do ESPIN.
    Outra medida importante adotada pelo Incra é a isenção da cobrança de encargos moratórios incidentes durante o período de vigência do ESPIN, dos valores cujos vencimentos ocorreram antes de 04 de fevereiro de 2020.
    A portaria determina também que os Contratos de Concessão de Uso (CCU) - documento provisório de exploração da terra assinado pelos assentados com o Incra - vencidos durante a manutenção do Estado de Emergência, ficam automaticamente revalidados pelo período de 180 dias.
    Por fim, os prazos estabelecidos para resposta em processos administrativos no Sistema de Gestão Fundiária (SIGEF), Comitês Regionais de Certificação e no Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR), ficam automaticamente prorrogados pelo prazo de 60 dias, contados após a decretação do fim do Estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional.
    As medidas da Portaria nº 586/2020 atendem às recomendações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Governo Federal.

    Ministros da Agricultura e da Infraestrutura debatem fluxo de abastecimento no país

    Coronavírus

    Os dois ministros têm atuado em conjunto para garantir o livre acesso a estradas, portos e aeroportos para as cargas essenciais

    A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, conversaram nesta sexta-feira (27), por meio de videoconferência, sobre o fluxo de abastecimento do país. Os dois ministros têm atuado em conjunto, com estados e municípios, com o objetivo de garantir o livre acesso a estradas, portos e aeroportos para as cargas essenciais, como são os produtos agropecuários, para o abastecimento da população e do sistema de saúde.
    O ministro Tarcísio de Freitas fez uma avaliação positiva do sistema de transportes do país e disse que os caminhoneiros estão recebendo apoio nas estradas, com abertura de postos, oficinas e restaurantes. Os profissionais estão recebendo kits de alimentação e higiene, com apoio de entidades do setor público e privado.
    Os ministros também conversaram sobre a distribuição, na próxima semana, dos kits de testes rápidos, equipamentos de proteção individual (EPIs) e respiradores, que estão chegando ou sendo produzidos para a rede de saúde do país, via aérea e terrestre. A primeira remessa de kits chegará em São Paulo. Segundo o ministro Tarcísio, essa é “uma operação de logística de guerra para dar braço ao Ministério da Saúde”.
    Durante a videoconferência, a ministra entregou para o Ministério da Infraestrutura o documento resultante do encontro de países sul-americanos, realizado na semana passada, já revisado pelo Mapa. Agora, o Ministério da Infraestrutura revisará sua parte e mandará para o Chile, que preside temporariamente o Conselho Agropecuário do Sul (CAS) e ficou responsável por coordenar este trabalho.

    Câmara aprova substituto para alteração da Lei do Programa de Alimentação Escolar e garante proposições da CONTAG e da FPAF






    FOTO: Arquivo MDA



    Na primeira votação em sistema remoto da história do Congresso Nacional, realizada na noite desta quarta-feira (25), os deputados e deputadas priorizaram pautas emergenciais de enfrentamento à pandemia do coronavírus. Uma delas foi sobre a alteração da Lei 11.947/2009, que institui o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

    Após a apresentação de duas propostas para sua alteração por meio do PL 786/2020, de autoria do deputado Hildo Rocha (MDB-MA) e do PL 824/2020 da deputada Dorinha Seabra Rezende, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (CONTAG) e a Frente Parlamentar da Agricultura Familiar (FPAF) fizeram conjuntamente articulações e dialogaram com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, com líderes de partidos e com o relator de plenário, deputado Zé Silva, para garantir que suas proposições fossem analisadas e aprovadas.
    Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

    A CONTAG e a FPAF defendiam a destinação dos gêneros alimentícios adquiridos no âmbito PNAE aos pais ou responsáveis dos alunos matriculados mesmo com as escolas fechadas em situação de calamidade pública, respeitando algumas condições presentes na Lei do PNAE, como a aquisição de, no mínimo, 30% de produtos da agricultura familiar e o padrão de cultura e regionalidade na distribuição de alimentos.

    Esse processo de negociação resultou na apresentação de um projeto substitutivo, que contemplou as proposições da CONTAG e da FPAF e excluiu a possibilidade de repassar o recurso referente à alimentação escolar por meio de cartão magnético bancário, conforme previsto no PL 824. A principal preocupação era apoiar as propostas porque garantia a manutenção do programa mesmo diante da pandemia, e garantir que a compra dos produtos da agricultura familiar fosse preservada, mesmo que a opção de cartão fosse aprovada. Agora, o PL segue para a apreciação e votação do Senado Federal.

    Para a CONTAG, as Federações e Sindicatos, o PNAE é um programa que oferece uma alimentação saudável e adequada aos alunos e alunas e, simultaneamente, atende às especificidades das produções agrícolas familiares regionais. E uma alimentação saudável é um dos requisitos para manter ou fortalecer a imunidade do organismo, principalmente nesse cenário de pandemia, e, portanto, essa premissa reforça a urgência na deliberação do Projeto de Lei. “Foi um grande passo, pois, neste momento, produções destinadas à merenda escolar são descartadas ou estocadas com risco de perder a validade sem que pudessem ser destinadas a estudantes, seus pais ou responsáveis, situação que exige deliberação urgente agora no Senado Federal. Além de promover o direito à alimentação, a medida contribui para manter setores da economia movimentados”, destaca o presidente da CONTAG, Aristides Santos.

    Previsão de chuvas no RN para os meses de abril, maio e junho é acima do normal diz Bristot. Fernando Pedroza já choveu 328 mm.






    A previsão de chuvas, para o trimestre de abril, maio e junho, no Rio Grande do Norte é de chuvas de normal a acima do normal. A chuva esperada deve ser bem distribuída em todas as regiões do RN sendo de 578,7mm para o Leste, 328,1mm para o Oeste, 317,7mm para o Agreste e 256,5mm para a Central.


    Este é análise feita por meteorologistas de diversos órgãos durante a I Reunião de Análise e Previsão Climática para o Setor Leste do Nordeste de 2020, realizada por meio de videoconferência no último dia 19.


    “Importa destacar que a grande variabilidade temporal e espacial das chuvas nesse período, o que significa que podem ocorrer chuvas intensas concentradas em algumas áreas durante um período curto de tempo”, explicou o chefe da Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), Gilmar Bristot representando o RN na reunião.


    Segundo as informações da EMATER local, em Fernando Pedroza de Janeiro até Março desse ano, o volume registrado de chuvas foram de 328,44 mm.
    fonte do blog de foco central
    EMPARN

    sexta-feira, 27 de março de 2020

    Os Acordos políticos

    Meu caro amigo F. Cruz:

    Gostei muito de sua postagem sobre os acordos no RN. Embora eu tenho conhecimento através do prof. Edivan, que o mesmo no início não queria ser candidato a reeleição. Eu mesmo como seu amigo pedí para ele não ser, ou seja enfrentar o então Dep. Benis. Mas, são coisas da política.

    Laboratórios da Embrapa realizarão testes para identificação da Covid-19

    Jefferson Christofoletti -
    Os centros de pesquisa da Embrapa estão colocando à disposição do governo federal sua estrutura instalada de equipamentos, produtos e pessoal para ajudar na realização de testes laboratoriais para identificação da Covid-19. Os testes estão baseados no uso do equipamento RT-PCR, comumente empregado em estudos de biologia molecular.
    A contribuição atende demanda do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que está atuando em parceria com o Ministério da Saúde. A ministra Tereza Cristina solicitou à Embrapa o levantamento dos laboratórios capazes de conduzir testes com a técnica RT-PCR e terem seu uso rotineiro redirecionado para identificar a eventual presença do coronavírus em amostras biológicas. 
    Os laboratórios da Embrapa poderão ser utilizados na etapa de amplificação e detecção do material genético (RNA fita simples) do coronavírus nas amostras recebidas. Os testes serão supervisionados pelo Ministério da Saúde em conjunto com instituições como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Adolfo Lutz. 
    A capacidade instalada na Embrapa indica a possibilidade de uso de 47 laboratórios. As estruturas geralmente são usadas para tarefas como detecção de genes de interesse agronômico em plantas, animais e microrganismos e podem ter seu uso adaptado para a necessidade prevista pelo Ministério da Saúde. Com base na infraestrutura disponível a Embrapa pode, potencialmente, contribuir com quase 43 mil análises por dia.  
    A Empresa já vem colaborando com a Fiocruz para a realização de testes de detecção de Chikungunya, dengue e zica vírus, com o emprego da mesma tecnologia, visando aliviar as demandas do sistema de saúde.
    Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas (Sire)

    quinta-feira, 26 de março de 2020

    27.03.2020
    Ministério da Saúde autoriza cloroquina para casos graves de covid-19.

    O Ministério da Saúde oficializou, nessa quarta-feira (25), um posicionamento autorizando que médicos usem a cloroquina/hidroxicloroquina para tratar pacientes internados em estado grave com covid-19.
    No entanto, não há qualquer indicação do medicamento para pessoas que queiram se proteger ou para casos leves da doença.
    O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alertou para os riscos de efeitos colaterais graves provocados pela droga, um imunomodulador receitado para casos de malária e para algumas doenças autoimunes, como o lúpus.
    Em uma apresentação à imprensa, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta, Denizar Vianna, frisou que o medicamento pode ser usado com outras medidas de suporte ao paciente pelo período de cinco dias.
    Segundo ele, trata-se de “um medicamento muito promissor” e que “o Brasil conhece muito”, por fazer uso na região Norte em pessoas com malária.
    Os casos graves são, em média, 14% dos infectados por coronavírus, sendo que 5% são considerados críticos.
    Na semana passada, após o presidente dos Estados Unidos falar que o país aprovou o uso da substância no tratamento de alguns casos de covid-19, houve uma corrida às farmácias no Brasil, o que deixou algumas delas sem estoque.
    Posteriormente, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a venda do remédio sem prescrição médica, para evitar a automedicação e também que pacientes que precisam da hidroxicloroquina fiquem desabastecidos.
    Nota do Blog: O que não pode é comprar esse remédio, sem ter a confirmação de um médico

    27.03.2020.

    O que é Outorga de Uso da Água e a sua importância


    IGARN
    Uma das principais ferramentas utilizadas pelo Governo do RN, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN, para garantir a otimização da gestão dos recursos hídricos é o cadastramento dos usuários de água por meio das Outorgas de Uso da Água, mas você sabe o que é uma outorga e a sua importância?
    As atividades humanas que provocam alterações nas condições naturais das águas são consideradas "usos", como, por exemplo, irrigação, abastecimento, geração de energia hidroelétrica, entre outros.
    A outorga de direito de uso tem como objetivo assegurar o controle quantitativo e qualitativo desses usos da água. Por meio dela, o Poder público cede ao interessado, o direito de utilizar privativamente os recursos hídricos de certo manancial por prazo e pretensões anteriormente acordados.
    Apesar de concedida pelo Poder Público, as prerrogativas para a concessão da outorga de uso da água são definidas em diretrizes estabelecidas pelos Planos de Bacias Hidrográficas aprovados pelos Comitês.
    É através da outorga que são viabilizados os usos múltiplos das águas e o acesso a este bem por todos da coletividade, ou seja, assegura o controle quantitativo e qualitativo da utilização deste recurso. Sendo assim ela é um mecanismo que protege e controla de forma organizada o uso dos recursos hídricos, garantindo sua distribuição de modo que não se comprometa o uso futuro.
    A Outorga funciona, portanto, como uma forma de controlar o uso exacerbado e a apropriação indevida, garantindo assim a efetividade do direito ao acesso à água, reduzindo os conflitos referentes à água, sendo um guia indispensável para a gestão dos recursos hídricos.
    De acordo com a Constituição Federal, corpos de água de domínio da União são aqueles lagos, rios e quaisquer correntes d’água que passam por mais de um estado, ou que sirvam de limite com outros países ou unidades da Federação. Em corpos hídricos de domínio dos Estados e do Distrito Federal, a solicitação de outorga deve ser feita junto ao órgão gestor estadual de recursos hídricos, no caso do Rio Grande do Norte, o Igarn.
    Vale ressaltar que a outorga dá ao usuário a segurança para exercer seu direito de acesso à água, uma vez que com o documento poderá legalmente fazer o uso dos recursos hídricos. Já aqueles que exploram estes recursos de maneira ilícita, ou seja, sem a autorização do Estado ou União, pode receber notificações, multas e até mesmo embargos previstos em lei.
    Quem são os usuários de água?
    O termo “usuário de água”, que comumente utilizamos em nossos textos, designa Indústrias, agricultores, piscicultores, mineradores, companhias de saneamento e todos que dependem das águas dos rios, córregos, lagos, poços artesianos e freáticos do Estado, seja por captação de águas, extração ou despejo de esgotos direta ou indiretamente, assim, a Caern é um usuário de água do Estado

     27.03.2020.

    Reservatórios potiguares continuam a receber bom aporte hídrico


    IGARN
    O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora 47 reservatórios, com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pela segurança hídrica potiguar. O Relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais, divulgado nesta quinta-feira (26), indica que a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior manancial do Estado, com capacidade para 2,37 bilhões de metros cúbicos acumula atualmente 659.255.992 m³, percentualmente, 27,78% da sua capacidade total. No mesmo período de 2019 o reservatório acumulava 503.957.333 m³, correspondentes a 21% do seu volume máximo.
    As reservas hídricas superficiais totais do Estado atualmente são de 1.233.200.950 m³, o que corresponde a 28,17% da capacidade total das bacias potiguares juntas, que é de 4.376.444.842 m³. Em comparativo com 2019, no mesmo período, o volume das reservas hídricas do RN era de 999.744.119 m³, percentualmente, 22,84% do volume total que conseguem acumular.
    Dos 47 reservatórios monitorados pelo Igarn, 5 permanecem em nível de alerta, com volumes inferiores a 10% da sua capacidade total, o que corresponde a 10,63% dos mananciais. Já os que estão secos são 3, percentualmente, 6,38% dos açudes monitorados. No mesmo período do ano passado os reservatórios com menos de 10% da sua capacidade total eram 9, percentualmente, 19,14% dos mananciais monitorados. Já os secos eram 6, percentualmente, 12,76%.
    A barragem Santa Cruz do Apodi, segundo maior reservatório do Estado, com capacidade para 599.712.000 m³, acumula atualmente, 152.247.518 m³, percentualmente, 25,39% do seu volume máximo. No final de março de 2019, o manancial estava com 135.915.601 m³, o que correspondia a 22,66% da sua capacidade total.
    Já o reservatório Umari, com capacidade para 292.813.650 m³, acumula atualmente, 105.464.012 m³, percentualmente, 36,02% do seu volume máximo. No dia 26 de março do ano passado o manancial estava com 98.562.845 m³, percentualmente, 33,66% da sua capacidade total.
    A barragem Pau dos Ferros, com capacidade para 54.846.000 m³, acumula atualmente 8.306.804 m³, o que corresponde a 15,15% da sua capacidade total. O manancial não atingia 15% do seu volume máximo desde agosto de 2013, embora tenha recebido recarga em anos posteriores, e estava seco até o dia 3 de março deste ano.
    O reservatório Marechal Dutra, também conhecido como Gargalheiras, com capacidade para 44.421.480 m³, acumula atualmente, 11.448.873 m³ chegando, portanto, a 25,77% da sua capacidade total. No mesmo período de 2019 a barragem estava completamente seca.
    O açude Santana, localizado em Rafael Fernandes, com capacidade para 7.000.000 m³, e que estava seco até o último dia 12 de março, recebeu bom aporte de águas e acumula atualmente 1.645.000 m³, o que percentualmente representa 23,5% da sua capacidade total.
    Os reservatórios que já sangram na quadra invernosa deste ano foram: Dourado, localizado em Currais Novos; o açude de Encanto; o açude Riacho da Cruz II; o açude Pataxó, localizado em Ipanguaçu e o açude Beldroega, localizado em Paraú.
    Os reservatórios que estavam em nível de alerta até o último relatório, divulgado no dia 18 de março, e que já acumulam mais de 10% da sua capacidade total são: Bonito II, localizado em São Miguel, que estava com 5,17% e agora acumula 12,3%; Flechas, em José da Penha, que estava com 9,05% e agora está com 10,37%; a Barragem Pau dos Ferros, já citada anteriormente, que estava com 6,65% e agora acumula 15,15%; o açude Jesus, Maria, José, em Tenente Ananias, que estava com 9,81% e agora está com 10,03% e o açude de Cruzeta, que estava com 9,23% e agora está com 11,31%.
    Os mananciais que permanecem em nível de alerta são: o açude de Pilões, com 7,86% da sua capacidade total; Passagem das Traíras, em São José do Seridó, com 2,45% (porém o reservatório passa por obras não sendo possível grande acumulo); o açude Itans, em Caicó, que está com 3,88%; açude Esguicho, em Ouro Branco, com 0,7% e o açude Zangarelhas, em Jardim do Seridó, com 0,45%.
    Os reservatórios que permanecem secos são: o açude Inharé, localizado em Santa Cruz; o açude Trairi, em Tangará e Japi II, em São José do Campestre.