segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Alto índice de indeferimento de benefícios previdenciários rurais pelo INSS é tema de diálogo na Câmara dos Deputados
Por ter uma moto de dez anos de uso.
Por ser presidente (voluntário) de uma associação de pais e mestres.
Por não ter apresentado os títulos eleitorais dos(as) filhos(as).
Por ter uma produção considerada muito alta ou ter algum maquinário.
Por ter deixado em branco alguma questão do formulário de autodeclaração para o recebimento do benefício.
Esses são apenas algumas das diversos motivos para o INSS estar negando milhares de aposentadorias para agricultoras e agricultores familiares em todo o Brasil. Apenas em 2019, foram 210 mil indeferimentos. Esses indeferimentos previdenciários têm diversas causas, que foram tema de audiência pública na Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados na manhã de hoje (12).
A secretária de Políticas Sociais da CONTAG, Edjane Rodrigues, o presidente da FETAG-RS, Carlos Joel da Silva, e a diretora do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário, Jane Berwanger, apontaram para a diretora de Benefícios do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), Márcia Eliza de Souza, algumas das principais razões para esse gargalo que penaliza milhares de trabalhadores e trabalhadoras rurais brasileiros(as).
A análise nacional dos processos de aposentadoria é uma dessas razões. Para agilizar a análise dos mais de um milhão de requerimentos apresentados todos os anos para o INSS, o órgão descentralizou esse procedimento e os processos de um estado podem ser conferidos por funcionários de outra unidade da federação. Mas a falta de conhecimento das diferentes realidades da agricultura familiar pelo país causa um enorme número de pedidos negados.
“Um processo do Rio Grande do Sul foi analisado na Bahia, por exemplo, e negado porque o funcionário daquele estado achou que 15 toneladas de soja é uma quantidade muito grande para um agricultor familiar. Mas no nosso estado essa quantidade pode ser tirada de apenas três hectares”, exemplificou o presidente da FETAG-RS. A diretora do IBDP, Jane Berwanger deu outro exemplo gaúcho: “Um funcionário do INSS de São Paulo pediu um documento que só era entregue naquele estado. Claro que o produtor do Rio Grande do Sul não conseguiu apresentar, e por isso seu benefício foi negado”.
Outra razão para o grande número de indeferimentos é a complexidade do formulário de autodeclaração. Os dirigentes afirmam que há perguntas de difícil entendimento e outras questões pedem informações desnecessárias, como o número dos títulos eleitorais de filhos(as), número de CPF de vizinhos, entre outras. Para Edjane Rodrigues, é preciso dialogar com o INSS para que os processos sejam analisados dentro dos próprios estados ou promover uma capacitação dos funcionários para que exista o conhecimento das diferenças regionais. Além disso, é necessário uma alteração do formulário, para que ele fique mais simples e compreensível, pedindo apenas as informações realmente necessárias para a comprovação da atividade rural. “É preciso aprofundar o debate sobre o CNIS Rural, que reunirá as informações dos(as) trabalhadores(as) rurais, fazendo o cruzamento com outras bases de dados do Estado. As mulheres e a juventude rural podem ser comprometidos nessa base de dados”, afirma a secretária de Políticas Sociais da CONTAG.
A diretora de Benefícios do INSS, Márcia Eliza, respondeu aos questionamentos apontando que está em planejamento uma Central de Alta Performance, que reunirá um grupo de funcionários para tratar exclusivamente da aposentadoria rural. Além disso, afirmou que o INSS está aberto para o diálogo e para a melhoria dos instrumentos de concessão dos benefícios.
“Agradecemos ao trabalho dos parlamentares para a permanência dos direitos dos agricultores e agricultoras familiares na Reforma da Previdência, mas não podemos deixar que as aposentadorias sejam negadas por instrumentos normativos, que é o que está acontecendo na prática. Um salário mínimo faz muita diferença Âna família do campo e na comunidade rural”, apontou Carlos Joel da Silva.
“A Central de Alta Performance é uma ideia boa, mas precisamos ir mais longe”, afirmou Edjane Rodrigues. “É preciso melhorar muito o formulário de autodeclaração e também dialogar sobre a realização de concursos para que haja nas agências pessoas de referência para os(as) trabalhadores(as) rurais, para que eles(as) saibam a quem recorrer se houver dúvidas em seus processos de aposentadoria”, explicou a dirigente.
Entre os encaminhamentos da audiência estão uma reunião de trabalho com a diretoria do INSS e ministério do Trabalho e Emprego. No dia 5 de dezembro, haverá outra audiência sobre o tema, para avaliar questionamentos e possíveis medidas para solucionar os desafios enfrentados por milhares de agricultoras e agricultores familiares que produzem mais de 75% de nossos alimentos.

FONTE: Assessoria de Comunicação CONTAG 
COMÉRCIO

Brasil pode comprar trigo dos EUA sem tarifa

Estratégia foi discutida pelos dois presidentes

O Brasil implementou isenção de impostos para as importações de trigo dos Estados Unidos. Nesse cenário, o Representante comercial dos Estados Unidos Robert Lighthizer e o secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, deram boas-vindas para o Brasil, com isenção de 750 mil toneladas. 
Os Estados Unidos há muito procuram o Brasil cumprir esse compromisso, culminando em um anúncio público quando os presidentes Trump e Bolsonaro se reuniram em Washington em março. O TRQ isento de impostos fornecerá acesso estável e previsível a um mercado em que os exportadores de trigo dos EUA tenham há muito tempo clientes brasileiros prontos. 
Antes da implementação dessa TRQ, o trigo dos EUA normalmente entrava no Brasil com um imposto aplicado de 10%, em comparação com o trigo dos parceiros comerciais da união aduaneira do MERCOSUL no Brasil, particularmente a Argentina, que entra com isenção de impostos. “Por muitos anos, o Brasil falhou em implementar sua obrigação sob a OMC de estabelecer uma TRQ para o trigo. A implementação dessa TRQ no Brasil cumpre um compromisso assumido com o presidente Trump pelo presidente Bolsonaro no início deste ano e reflete um desejo de aprofundar os laços comerciais e econômicos entre os dois países”, diz o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). 
"Esta solução para um problema de longa data é resultado da defesa do governo pelos agricultores americanos e permitirá que nossos exportadores de trigo competem em igualdade de condições", disse o embaixador Lighthizer. "Estamos ansiosos para aumentar as exportações de trigo americano para o Brasil”, completa. 


Governadora inicia agenda na Europa com apresentação do queijo de manteiga do RN

ASSECOM/RN

Uma apresentação dos queijos produzidos nos municípios da região Seridó, no Rio Grande do Norte, é o primeiro evento da agenda da governadora Fátima Bezerra na França. Na manhã deste domingo, 17, no Grand Palais, em Paris, no Mercado de Rungis - que pode ser comparado à "Ceasa" da capital francesa e maior mercado atacadista daquele país e principal fornecedor da Europa, aconteceu a comemoração dos 50 anos da instalação do entreposto. Na ocasião foi oferecida degustação do queijo de manteiga do RN acompanhada por geleia finlandesa de pétalas de rosa. Os comerciantes atacadistas aprovaram e ficaram muito interessados nas ações de melhoria da cadeia de produção do leite e dos queijos que está sendo realizada no RN com a implantação de normas sanitárias, controle de qualidade e de origem, além da construção de 51 queijeiras.
"Estamos apresentando os queijos do Seridó aos atacadistas do Mercado de Rungis, local que reúne os principais fornecedores da maior parte dos restaurantes franceses", afirmou Fátima Bezerra. Ela registra que a participação do RN no evento "é fruto de nossa articulação no Encontro de Leite e Derivados (Enel) que aconteceu no mês de agosto em Natal e de todo o trabalho que estamos fazendo para organizar e valorizar a produção do leite e do queijo em nosso Estado".
O Governo do RN participa do evento a convite da presidente da associação Sertãobras, Débora de Carvalho Pereira, e de Claude Maret, presidente da Federação dos Queijeiros da França. Débora, que também é mestre queijeira na França, confirma o interesse do mercado francês em importar queijos potiguares. "Os franceses estiveram no Brasil e no Rio Grande do Norte em agosto último, conheceram os queijos norte-rio-grandenses e ficaram muito interessados. Foi uma agenda muito positiva. Inclusive Claude Maret me passou hoje uma lista de técnicos franceses que se dispõem a ir ao estado para atuar no aperfeiçoamento da produção de queijos e na importação e exportação", afirmou Débora de Carvalho.
O secretário de Estado de Gestão de Projetos, Fenando Mineiro, explica que serão assinados protocolos de colaboração entre a Federação dos Queijeiros da França com o Governo do RN. "O presidente Claude Maret, que já esteve em nosso Estado, mostrou muito interesse e nos confirmou parcerias e acordos bilaterais para aprimorar a tecnologia do queijo e a importação e exportação dos nossos produtos", informou.
O senador Jean Paul Prates, que também a acompanha a delegação do Governo do RN no país, destaca como de grande importância a interação entre os produtores de queijo do RN e da França: "Amplia as possibilidades de comércio, a conquista de novos mercados, aumento da produção, a renda e também permite agregar conhecimentos e tecnologia que poderão levar ao desenvolvimento de novos produtos de excepcional qualidade e com novos ganhos e oportunidades para todos".
De Paris, a Governadora também confirma a realização, na noite deste domingo, da primeira reunião do Consórcio Nordeste para iniciar os trabalhos com a comitiva completa dos Governadores do Nordeste. A comitiva visita a França, a Itália e a Alemanha. A programação conta com eventos e reuniões com setores econômicos e governamentais em Paris, nos dias 18 e 19, em Roma, no dia 20, e em Berlim, nos dias 21 e 22

Declaração de líderes do Brics reforça importância da sustentabilidade no setor agrícola

Cúpula do Brics

Documento foi assinado pelos líderes dos cinco países após reunião em Brasília

 

Reunidos durante a XI Cúpula do Brics, os chefes de Estado dos cinco países aprovaram a nesta quinta-feira (14) a Declaração de Brasília, com as principais decisões do grupo. Na área da agricultura, o documento reconhece a importância da cooperação entre os países e da gestão sustentável dos recursos naturais e destaca que o comércio no bloco deve se basear na ciência e na tecnologia. 
“Na condição de líderes mundiais na produção de produtos agrícolas e lar de grandes populações, destacamos a importância da cooperação do Brics na agricultura.Reconhecemos a importância da agricultura de bases científicas e do uso de TICs para essa finalidade. Sublinhamos a necessidade de garantir segurança alimentar, qualidade sanitária dos alimentos, combater a desnutrição, eliminar a fome e a pobreza por meio do aumento da produção agrícola, da produtividade, da gestão sustentável dos recursos naturais e do comércio agrícola entre os países do Brics”, diz o documento.
A Declaração de Brasília também traz o comprometimento em implementar os resultados da COP 14 da Convenção das Nações Unidas para o Combate à desertificação (UNCCD) para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 15.3 (uso sustentável dos ecossistemas terrestres) até 2030, de combate à desertificação, recuperação de terras e solos degradados, e "lutar para alcançar um mundo neutro em termos de degradação da terra”.
Os líderes se comprometeram com a implementação do Acordo de Paris e pediram o apoio dos países desenvolvidos para ampliar a prestação de assistência financeira, tecnológica e de capacitação aos países em desenvolvimento para apoiar ações de mitigação e adaptação. Outro resultado foi a criação da Aliança Empresarial de Mulheres do Brics, que visa a aumentar o papel das mulheres como impulsionadoras do crescimento econômico, contribuindo para o empoderamento econômico das mulheres nos cinco países.
A Declaração conjunta também cita a 9ª Reunião de Ministros da Agricultura do Brics, realizada em setembro, em Bonito (MS), que reconheceu a importância da agricultura sustentável e o papel da biotecnologia para o aumento da produtividade,
A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou das sessões plenárias, encontros bilaterais e fórum empresarial. Ontem (13), o Brasil e a China firmaram acordos sanitários para que o Brasil exporte melão para o país asiático, que poderá vender pera para o mercado brasileiro. 
Presidida pelo presidente Jair Bolsonaro, a XI Cúpula do Brics foi realizada em Brasília nesta quarta-feira (13) e quinta-feira (14). O evento reuniu o presidente Vladimir Putin (Rússia), o primeiro-ministro Narendra Modi (Índia), o presidente Xi Jinping (China) e o presidente Cyril Ramaphosa, da África do Sul. Ao final do encontro, o Brasil entregou a presidência rotativa do bloco para a Rússia. 

sábado, 16 de novembro de 2019

Minha Homenagem a Natal

Natal – A noiva do Sol,
Amante das belas luas
Que circula em caracol
Reluzindo pelas ruas...
E, bem longe as sereias
Sonham naquelas areias
Se banhando seminuas.

Dos Encantos de Natal
Irei mostrar muito pouco,
Trarei mais o ambiental
Para não lhe deixar louco,
Não vou abraçar a história,
Escavacar a memória,
Arriscando ficar rouco.

Natal – Cidade Presépio -,
Tua estrela dos Reis Magos,
É postal do município.
Praieira de bons afagos
Do velho Beco da Lama
Onde boêmios de fama
Tomam todos os seus tragos.

Natal tem o velho Forte
Lugar de grande atrativo
Do Rio Grande do Norte.
Construído por nativo,
Uma obra de engenharia
Sem usar maquinaria,
Apenas dom criativo.

Tem a Pedra do Rosário
Um lugar de devoção,
Um bucólico santuário
Da Mãe da Apresentação
- Padroeira da Cidade
Que com sua santidade
Dá-nos sempre uma bênção.

Belas praias o ano inteiro
Para todos os turistas
Encanto para estrangeiro...
As ondas, na dos Artistas,
Transformando a praia-mar
Num recanto pra se amar
Desde nossos seiscentistas.

Naquela ponta alvinegra
Tem o Morro do Careca
Na praia de Ponta Negra.
Tem caldo e muita moqueca
De peixe ou de camarão,
Seja inverno ou no verão,
Nunca fecha pra soneca.

As dunas vão escorrendo
Para se abraçar ao mar
E a água vai corroendo
Batendo, sem reclamar,
Um retrato da certeza,
Mostrando o que a natureza,
Fez para nos acalmar.

Um lugar apetitoso
É na praia da Redinha
Lugar tão harmonioso
Tem até uma igrejinha,
Tem ginga com tapioca
De farinha de mandioca
Comida topo de linha.

Areia Preta, e Artistas,
Desde a década de quarenta,
São as praias dos Turistas.
Da beleza se alimenta,
Vista a partir da ladeira
Dá no quengo uma doideira,
Deixa a pessoa foguenta.

De lá se vê quase tudo
Da velha urbe Potiguar
- Berço do gênio Cascudo
Que de forma singular
Escreveu com maestria
Pitadas de idolatria
Nossa história popular.

Se vê a Newton Navarro
De curvatura imponente
Unindo o asfalto ao barro
Do Leste para o poente.
Ponte que atrai os turistas,
Juntando-se aos banhistas,
De forma bem atraente.

Vê balsas de pescadores
Aportadas elegantes
Privilégio aos moradores
Destas marés verdejantes.
Se vê Redinha e o Forte,
O início da zona norte
- Atração pra visitantes.

Ali perto ainda tem
farol de Mãe Luiza
Muito tempo que detém
E lhe caracteriza
Tá num bairro litoral,
De onde se avista Natal
Que neste se enfatiza.

Partimos para a Ribeira
Berço dos antepassados,
Que de forma pioneira,
Foi pelos anos dourados
Empório comercial,
Da cultura, social,
Recanto dos namorados.

É ali onde se encontra
Alberto Maranhão,
Que nas artes se concentra
Artistas em comunhão,
Cantando vivas ao povo
Que come cuscuz com ovo
Na terra de Camarão.

Subindo na velha rua
Se chega a Cidade Alta,
Onde, com ou sem a lua,
A diversão é peralta...
Lá se afogam os desgostos
Com cachaça e tira-gostos
Bebedeira nunca falta.

Tem também o Centro Histórico
Famoso pelos seus feitos
Popular, clássico e folclórico
Deixa todos satisfeitos
Têm igrejas centenárias
Construções milionárias
- Prédios belos e perfeitos.

Destaco o Memorial
De Luiz Câmara Cascudo
- Sendo um referencial
Importante para estudo,
Essa foi a sua herança
Que nos deu a segurança
Para usá-lo como escudo.

Tem bairros dos mais diversos
Com particularidades
Todos eles dão bons versos,
Nas suas diversidades.
Mas, o Alecrim tem demanda
No comércio ele é quem manda
Com muitas variedades.

feira e o cemitério
São seus referenciais,
Lá não existe mistério,
Une as classes sociais.
Buscando os objetivos
São encontrados motivos
Para os casos crucias.

Visitando a zona sul
Têm Shoppings como opções
Nos moldes do Mercosul
Atraem as populações
Como opção de lazer,
Ou as compras pra fazer
Em boas instalações.

Da Copa, suas heranças,
Nossa maior foi o Arena
Um lugar para festanças
E de segurança plena.
Tem uma visão de duna,
Nos custou uma fortuna
Mas, visitar vale a pena.

Centro de Convenções
É um outro ponto de evento
Entre estas, as colações
- Momentos de grande alento.
Construído na costeira
Namora o mar da ladeira
Com seu porte corpulento.

Perto da rede hoteleira
Com oferta eficiente
Atende a moda estrangeira
Que é seleta e exigente.
O sol aqui beija o mar
É um lugar para se amar...
Gente cuidando de gente.

Niemeyer desenhou
Belo Parque da Cidade
Do jeito que ele sonhou:
Com a preciosidade
De exalar sua pureza
Abraçando a natureza,
Mostrando genialidade.

Também temos nosso Bosque,
Famoso Dos Namorados:
Tem fauna, flora, quiosque,
E até shows já programados,
Suas trilhas ecológicas
Nas eras tecnológicas,
Deixa-nos apaixonados.

Nessa terra Potiguar
culinária é de ponta
Jamais deixa jejuar,
Rapidinho ela tá pronta,
Paladar de nordestinos,
Bem ao gosto dos latinos
Com os preços bem em conta.

Tem a Metropolitana
- Região predominante,
Muito rica e soberana,
Com clima bem excitante
E belezas naturais
De encantos fenomenais
Que cativa o visitante.

São Gonçalo do Amarante
Possui um aeroporto
Belo e bem aconchegante...
E em Natal temos um porto.
De Nísia à Parnamirim,
Tibau Sul, Ceará Mirim
Além doutras... Só conforto.

Nesse torrão nordestino
O mar abraça a caatinga
Como um homem libertino,
Come buchada com pinga,
Dança forró pé-de-serra,
Depois de beijar a terra,
Faz do cabaço a moringa.

Natal é sol, diversão...
Natal é mar, movimento...
Natal é amor, é paixão...
Natal é festa, momento...
Natal é paz, harmonia...
Natal é luz que alumia
O Natal do Nascimento.

Do poeta cordelista Ivan Pinheiro

Queremos a volta dos trens de passageiros por todo o Brasil!

Queremos a volta dos trens de passageiros por todo o Brasil!
Todos sabemos que os trens foram desativados, a partir dos anos de 1960, contra o interesse do povo. Todos sabemos que na década de 1990 houve a privatização "do resto dos trens", que a empresa que comprou a malha férrea, por interesse obscuro, não investe na recuperação dos trens, como se obrigou.
E todos sabemos que nem os representantes do povo nem o Ministério Público tomam medidas minimamente eficazes pela volta dos trens. Todos sabemos que o Brasil quer e precisa se desenvolver e que países desenvolvidos, sem exceção, têm muitos trens.
Diante disso, como "o poder emana do povo" (art. 1º da Constituição Federal), assinamos esta petição para que as autoridades finalmente nos representem nesse sentido.
Postado por Fernando Caldas
Nota do Blog: Foi o maior crime contra a humanidade no Brasil, a desativação dos trens. O trem trouxe o progresso, acima de tudo a alegria do povo brasileiro. A minha infância em F. Pedroza ficou marcada pela chegada do trem. Era só alegria.

A SOLIDÃO DOS PÁSSAROS APRISIONADOS PELA IGNORÂNCIA HUMANA





Em sã consciência você não aprisionaria alguém inocente, correto? Não o imputaria culpa e nem ordenaria alguém a cumprir pena sem ter cometido crime algum, mesmo porque você não é um juiz,  correto? 

 Entretanto, é o que vemos diariamente pendurados em janelas, pessoas transportando  suas gaiolas, levando seus animais para "pegar sol" de manhã, estranho, não?  Sim, se pararmos para refletir sobre essas pequenas atitudes danosas a outros, e nos colocássemos no lugar desses, talvez agiríamos com mais senso de justiça, reconhecimento e o principal, compaixão.  Há falta de total empatia, onde não percebemos o mal que produzimos com essa atitude gerada pela ignorância, ganância e na prática, falta de inteligência. Se colocar no lugar dos outros nos faz um pouco melhor e quando nos sentimos bem com isso, pode ter certeza que estamos agindo no caminho certo, aquilo que por intuição nos diz "é isso, isso é o certo!" São seres vivos, pássaros, pequenos animais dotados da capacidade de voar. Esses, tem sua individualidade, sua existência e seu serviço à mãe Terra e infelizmente são enclausurados por "humanos" com capacidade baixíssima de entender e muito menos compreender o quanto todos os seres vivos são necessários e estão aqui por algum motivo de força maior. E vem alguém e quebra esse ciclo, trancafiando um pequeno  ser inocente e indefeso, dotado e capacitado para nos dar vida sem pedir nada em troca.  Você já refletiu Sobre isso? Nunca é tarde, já que à vida passa e a sua também. 

 Muitos de nós ou grande maioria, age mecanicamente, por costumes, culturas primitivistas, condicionamentos, repetições e digamos, adestramento social. Onde a pessoa age por instrução de alguém ou alguma coisa,  sem ao menos se questionar dessas atitudes que promove todos os dias, se formando um balé cruel e desproporcional a "racionalidade" que carregamos, porém, relativizada pelo antropocentrismo, copiada sistematicamente sem critério e colocada em prática sem ética nenhuma. 

 "Racionalidade" não quer dizer que tenha sobriedade, que não quer dizer que tenha lucidez, como também não quer dizer que seja justa. Consciência vai muito além disso, e é o fator primordial para a verdadeira e universal justiça, sobrepondo a racionalidade que gira em torno da espécie humana e a coloca acima de todos os outros seres. Tirar um passarinho possuidor de asas da natureza e o enclausurar dentro de uma gaiola de meros  30x40 de espaço, onde resume-se sua vida em zero, só tem um significado: crueldade produzida por cegueira não física, e sim, mental. Esses animais podem voar por quilômetros, atravessar Municípios, Estados, comer de todos os frutos que desejar e beber de todas as fontes. Mas não! Vai lá um ser que se diz "racional", o captura, trancafia e oferece uma alimentação repetida e água quente eternamente, onde  muitas vezes esses infelizes "humanos" os esquecem no banho de sol e muitos  morrem. Grande maioria compra e  vende como coisas, um objeto, apenas um negócio e não uma vida. Outro fator, o comércio lucrativo que retira da natureza milhares e milhares de animais todos os dias, onde um pouco mais de 1/3 chega com vida ao destino pelas  mãos de traficantes. Isso por causa de um dos maiores defeitos da espécie humana, à ganância.


 Engaiolar pássaros, você está privando seres de usufruir de sua principal característica que a existência lhe ofereceu, voar. Isso já fere todo contexto existencial desse ser, que tem sua vida amputada em sua maior dádiva que a natureza sabiamente lhe destinou e lhe deu sentido, que  por sinal,  deve ser maravilhoso.  Esses animais têm um papel fundamental no planeta,  dispersar sementes, distribuir sabiamente,  fazendo a polinização, assim, espalhando pólen colhidos das flores por onde voam, em um natural e equilibrado processo de semear vida por onde passam, inclusive promovendo bem estar  aos mesmos ignorantes que os trancafiam e os condenam.

 Cada espécie de pássaros  pertence a uma região e são responsáveis naturalmente a reflorestar  áreas, comendo específicas sementes, que retornarão ao solo através das fezes. Ou seja,  o ciclo biológico que nos faz vivos e toda forma de vida, são promovidas na maioria das vezes  por esses pequenos seres, nos fornecendo ar puro, sombra, bem estar ambiental, e todo tipo de suprimento para manter à vida na Terra. Lembrando também, seu papel fundamental no controle natural de vetores, exemplo: mosquitos, moscas, pernilongos e qualquer outro inseto, evitando que se tornem pragas, como por exemplo o transmissor da Dengue e suas vertentes. E por que os trancafia???    

 Você que está lendo esse texto, lembre-se que,  ao ver um pássaro em gaiola, saiba que aquilo não é uma vida no sentido real da palavra, e sim, um pobre animal condenado e explorado pelo seu tutor, esse meramente um carcereiro e ao mesmo tempo um juiz, que o condena  à prisão perpétua e mata aos poucos, fisicamente e psicologicamente. Reflita, dá tempo de você entrar nessa luta por justiça por aqueles que não podem ao menos se defender da maldade humana. Espalhe esse texto, compartilhe com amigos e familiares, debata, discuta pois as verdadeiras vítimas não podem falar e muito menos se defender, pois estão nesse momento cercadas de grades penduradas em uma canto frio e sem vida.

 Se você concorda com esse texto e acha interessante a colocação, compartilhe para que mais pessoas acordem para essa crueldade, e ajudem a libertar esses seres angelicais que além de nos proporcionar vida em qualquer bioma, nos embeleza a natureza e os sons dela. 

Jota Caballero